Glândula presente no organismo masculino, do tamanho de uma noz, a próstata é responsável pela produção do líquido seminal e tem função de ajudar a nutrir os espermatozóides para a reprodução. Ela cresce pouco até a puberdade, quando passa a sofrer influências mais intensas do hormônio masculino (testosterona), alcançando seu tamanho normal, em torno de 15 a 20 gramas, por volta dos 20 anos.

A partir dos 40, ela começa a crescer em diferentes velocidades e isso pode levar aos mais variados graus de sintomas, que não necessariamente tem relação direta com seu tamanho. Já está provado que seu crescimento está relacionado com o envelhecimento.

Este crescimento, de modo geral, é benigno e faz parte da natureza do homem. No entanto, não deixa de ser um incômodo e precisa de acompanhamento”, afirma Dr. Renato Falci, urologista e membro do comitê científico do Instituto Lado a Lado pela Vida (LAL).

Por volta dos 45 anos, a próstata tende a aumentar naturalmente de tamanho, no que chamamos de Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB). Essa condição atinge cerca de 14 milhões de brasileiros de acordo com a Sociedade Brasileira de Urologia e pode causar obstrução parcial ou totalmente da uretra, sendo, por isso, considerada uma doença.

MUITO frequente, essa condição prejudica a qualidade de vida do homem, afetando sua rotina e também a vida sexual. O professor Francisco Cesar Carnevale, médico da CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa, destaca que dados recentes da OMS sugerem que a HPB ocorra em um quarto dos homens com 50 anos de idade; em 1/3 daqueles com 60 anos e em metade dos que têm 80 anos ou mais.

Dentre seus principais sintomas, estão a dificuldade para urinar, a necessidade frequente e urgente de urinar, o aumento da micção noturna, a constante sensação de não esvaziamento completo da bexiga, entre outros. Considerada uma doença, por conta das consequências que traz para o bem-estar do paciente, a HPB pode ser tratada por meio de um método minimamente invasivo: a chamada Embolização das Artérias Prostáticas (EAP), realizada por via Endovascular para reduzir o fluxo de sangue da glândula. “O procedimento é reconhecido como opção segura e eficaz”, garante o Dr. Francisco Carnevale.

Câncer de próstata x prostatite
Enquanto câncer de próstata chega a atingir em torno de 16% dos homens, a prostatite é bastante comum e chega a atingir quase 30% da população masculina. Ela é muito comum na forma crônica e geralmente é assintomática, mas, quando dá sintomas, os mais frequentes são: ardor ou queimação ao urinar ou um desconforto junto ao orgasmo, esperma de cor amarelada, vontade frequente para urinar, etc. Quando cai a resistência física das pessoas, a prostatite se exacerba e aparece de uma forma bastante aguda provocando febre alta, queda do estado geral e sintomas típicos de infecção urinária, como ardor ao urinar e micções extremamente frequentes.

As principais causas de prostatite no homem são após as uretrites, como a gonorreia, após relacionamentos com parceiras com infecções ginecológicas e ainda após relação anal sem preservativo. O tratamento é feito com antibiótico e por um período mais longo do que os tratamentos habituais. Após o tratamento, o paciente necessita ficar atento, pois os sintomas da prostatite aguda podem voltar sempre que houver uma queda da resistência do homem portador da prostatite crônica.

A frequência do câncer de próstata aumenta com a idade dos homens. O exame periódico do homem com o urologista é extremamente importante porque o câncer da próstata não apresenta sintomas nas fases iniciais. Portanto, o diagnóstico precoce e a possibilidade de cura só existem quando se faz exames rotineiros, pelo menos uma vez ao ano.

Quando diagnosticado nas fases iniciais, a cirurgia ou a radioterapia podem curar o câncer da próstata, porém, em fases mais avançadas não existe cura, mas o câncer pode ser neutralizado e permanece inativo quando se bloqueia a ação do hormônio masculino (testosterona). A testosterona tem ação sobre o crescimento da próstata e esta pode ser bloqueada por meio de de injeções ou pela castração cirúrgica do portador de câncer avançado da próstata.

Dicas para conviver bem com a próstata
Na semana que lembra o Dia Nacional do Homem (15 de julho), Dr. Falci revela algumas dicas para conviver bem com a próstata, principalmente para quem já sofre com sintomas relacionados ao crescimento desta glândula, como jato fraco, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, frequência de micção aumentada, urgência para urinar e dor em baixo ventre durante a micção.

1 – Evite o enchimento rápido da bexiga

Isso ocorre na maioria das vezes por ingestão abrupta de grandes volumes de líquidos como, por exemplo, cerveja. Pelo fato da bexiga ser um músculo, sua rápida distensão faz com que sua contração perca eficiência, traduzindo-se por uma micção com jato mais fraco e, em casos extremos, em retenção urinária (incapacidade de urinar).

2 – Evite longos períodos sem urinar

Segurar a urina por longos períodos pode, pela superdistensão do músculo, terminar em uma micção dificultosa ou até em retenção urinária. Muitas pessoas já experimentaram a desagradável sensação de uma micção ruim, após passar longo período segurando a vontade de urinar e com um grande enchimento da bexiga, como por exemplo, em uma viagem. Isso é decorrente do estiramento das fibras musculares da bexiga que, temporariamente, diminuem a sua capacidade de contração.

3 – Evite descongestionantes nasais

A maioria desses medicamentos tem em sua composição um vasoconstritor que atua em receptores semelhantes aos que existem na cápsula da próstata e na saída da bexiga. A ativação desses receptores dificulta a saída de urina. Em jovens, esse efeito pode ser imperceptível mas, em quem já apresenta algum grau de sintoma docrescimento da próstata, seus efeitos podem ser maiores.

4 – Cuidados com anti-gripais

Uma boa parte desses compostos vendidos em farmácias contém substâncias semelhantes aos descongestionantes nasais e, pelo mesmo motivo, pioram a micção.

5 – Atenção com compostos e fórmulas

Compostos e fórmulas para aumentar o desempenho esportivo podem ter compostos derivados da efedrina, substância que atua nos receptores da cápsula da próstata e saída da bexiga, assim como os anti-gripais e descongestionantes nasais.

6 – Conheça a hiperplasia da próstata

Praticamente todo homem terá que lidar com ela. Ter um urologista de confiança pode ser o primeiro passo. Conhecer a história natural da doença ajudará a definir o momento ideal do tratamento.

7 – Faça check-up de saúde

Adiantar-se aos problemas muitas vezes é a melhor solução.